16/09/2019

[Resenha] O casulo Dandara | Vitória Holanda

O casulo Dandara

Autor(a): Vitória Holanda
Editora: CeNE
Páginas: 144
Resenha por: Viviane
Avaliação: 5/5
Compre: Editora / Livraria Cultura

*Livro cedido pela editora para resenha


Sinopse: Escrever sobre Dandara e sua vida talvez não convença algumas pessoas as quais acham que ser travesti é uma doença, que é falta de vergonha ou simplesmente pelo fato de acreditarem que "meninos vestem azul e meninas vestem rosa". Entretanto, é uma forma de mostrar que ser travesti na vida dela não foi uma escolha de criança influenciada na escola ou na mídia.

Ela nasceu Dandara.

Resenha: "O casulo Dandara" é a biografia da travesti Dandara, que foi assassinada no Ceará. O caso ficou bem famoso, e a autora, Vitória Holanda, que, além de policial responsável pelo caso, também foi amiga desde a infância da moça, conta tudo sobre a vida de Dandara, desde criança. Para isso, no começo do livro, Vitória conta um pouco de como foi a sua própria infância no Ceará e como foi morar em um conjunto habitacional, que foi onde conheceu a nossa protagonista.

"Retornando para o mundo da brincadeira, avistei um garotinho de cabelos loiros e cacheados, olhos verdes e sorriso aberto, ele se aproximou e pediu para brincar também. Então, conheci naquele dia Dandara e assim nascia uma amizade que duraria o resto de nossas vidas."

Nas páginas seguintes, Vitória conta como era a infância de ambas. Dandara tinha oito irmãos/irmãs e a mãe deles virava-se com um salário para sustentar os nove filhos. Ainda na infância Dandara percebeu que era diferente, gostava de brincar de boneca e sempre se imaginava casando com meninos e usando vestido de noiva.

A adolescência e o início da vida adulta já não costuma ser fácil para pessoas "normais", então imaginem para alguém que não se sente a vontade com a designação sexual com a qual nasceu. Muito cedo Dandara começou a usar drogas leves e a prostituir-se - as opções de trabalho eram poucas e a oportunidade da prostituição surgiu.

Dandara sempre foi muito alegre e extrovertida, cativava todos à sua volta, fazia muitos amigos, e um deles foi Cândido, um rapaz gay muito presente na vida dela.

A protagonista gostava de usar roupas curtas e extravagantes, até que passou a vestir-se totalmente como uma mulher. Havia alguém que seria uma espécie de cafetina dos travestis, que dava um teto para quem foi expulso de casa, em troca de pagamento de diária. Essa cafetina, que se chamava João da Moto, aprendeu a injetar silicone líquido e passou a fazer esses procedimentos, inclusive em Dandara, mas o sonho dela eram próteses de silicone, coisa muito cara e que exigiria muito trabalho para poder pagar.

Dandara chegou a morar um tempo em São Paulo, mas quando voltou para o Ceará já estava bem doente. Passou a trabalhar como diarista na casa de Vitória (a autora) e na de quem mais precisasse.

"Dandara era um ser humano diferenciado, nunca a vi triste por qualquer coisa, ela gostava de aproveitar a vida e tudo de mais simples que ela oferecesse."

Até aqui conhecemos a vida de Dandara, uma moça lutadora, honesta e sonhadora, mas as cenas que contam do assassinato tiraram-me o chão. Uma coisa é ler algo que sabemos que é ficção, mesmo que sejam cenas fortes, mas saber que uma agressão aconteceu de verdade, foi real, parte-me o coração. Vitoria não acreditou quando chegou a notícia de que sua amiga tinha morrido, mas o pior foi receber o vídeo do assassinato em seu celular. A partir daquele momento Vitória prometeu a si mesma e à família de Dandara que prenderia os responsáveis por aquele bárbaro assassinato contra alguém que já não tinha condições de defender-se de um agressor, quanto mais de seis.

"O casulo Dandara" foi uma leitura que me marcou muito e que com certeza ficará para sempre na minha memória e no meu coração.

5 comentários:

  1. Eu fiquei emocionada e impactada lendo a sua resenha então tenho uma ideia de como você ficou ao ler o livro. Perder uma amiga tão especial e de uma forma tão cruel com certeza mexeu com Vitória. E Dandara, como sofreu, coitada. Ela só queria ser feliz, ser quem ela é. Já tinha ouvido falar no caso mas não sabia exatamente o que havia acontecido. Seis pessoas contra uma. E ainda gravaram. Absurdo, meu deus. Agora quero ler o livro mas não sei se aguentaria a leitura.

    ps: primeira vez que venho aqui e tenho que dizer que adorei o fato de que é uma familia que posta as resenhas. Inclusive, quero ler uma feita pelo Leo com seus 11 aninhos rs

    Abraço,
    Parágrafo Cult

    ResponderExcluir
  2. O que me deixa triste é ver que existe tantos travestis que são assassinados no Brasil. Nosso País mata muita gente LGBT e sem necessidade.
    Já ouvi falar desse caso e gravaram, é triste e doí demais.

    ResponderExcluir
  3. Nunca tinha ouvido falar desse caso e sua resenha me deixou com um nó doloroso na garganta. Meu Deus do céu! Quando tanta violência vai chegar ao fim? Não aguento mais viver num país tão inseguro, tão agressivo e sem amor.

    Muito triste conhecer a história de vida de Dandara, quantas coisas pelas quais ela passou para depois ter sua vida arrancada num assassinato. Que esteja descansando em paz e espero que os culpados tenham sido pegos e condenados.

    ResponderExcluir
  4. Nossa! Não lembro se cheguei a ver sobre o crime, mas parece ser uma história bem chocante e forte.
    Espero que logo a comunidade LGBT+ venha a ter a mesma paz que o povo hétero
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  5. Oiiii,

    Eu não sei nem o que falar sobre esta resenha, e sobre este livro. Nossa, que história viu? Eu fiquei muito curiosa para ler, mas por agora não da, a história é muito forte e ultimamente a cabeça não tá muito boa para este tipo de conteúdo. De toda forma com certeza eu irei ler no futuro, parece ser uma história de vida forte e com um fim lamentável é revoltante.

    Beijinhos...
    http://www.equipenerd.com.br

    ResponderExcluir