18/09/2020

[Resenha] Objetos cortantes | Gillian Flynn

Objetos cortantes

Autor(a): Gillian Flynn
Editora: Intrínseca
Páginas: 256
Resenha por: Viviane
Avaliação: 4/5
Compre: Amazon / Submarino




Sinopse: Com reviravoltas surpreendentes, Sharp Objects: Objetos cortantes narra o retorno da repórter Camille Preaker, recém-saída de um hospital psiquiátrico, à sua cidade natal para investigar o brutal assassinato de uma menina e o desaparecimento de outra. Desde que deixou a pequena Wind Gap, no Missouri, oito anos antes, Camille quase não falou com a mãe neurótica, o padrasto e a meia-irmã que praticamente não conhece. Hospedada na casa da família, a jornalista precisa lidar com as memórias difíceis de sua infância e adolescência. E à medida que as investigações para elaborar sua matéria avançam, Camille passa a desvendar segredos perturbadores, tão macabros quanto os problemas que ela própria enfrenta.

Resenha: Camille é uma jornalista de mais ou menos trinta anos que acaba de dar alta de um hospital psiquiátrico por se automutilar, e recebe de seu chefe a missão de voltar à sua cidade natal para cobrir o assassinato de uma garotinha de nove anos, que foi o segundo em menos de um ano.

Sem muita opção, já que precisa do emprego, Camille volta a Win Gap, no Missouri, e hospeda-se na casa de sua mãe, já que a verba do jornal é curta.

Muitos fatos do passado da mulher vão sendo revelados, e aos poucos vamos entendendo o porquê de Camille ter se autoflagelado.

Quando ainda era criança, Camille tinha uma irmã que tinha todo o amor e atenção da mãe por ser uma criança doente e que veio a falecer; a mãe nunca superou a perda e parecia descontar em Camille a sua dor.

"Não sentia nenhuma fidelidade especial à cidade. Era o lugar onde minha irmã morrera, o lugar onde eu começara a me cortar. Uma cidade tão sufocante e pequena que todos os dias você esbarrava em pessoas que odiava. Pessoas que sabiam coisas sobre você. É o tipo de lugar que deixa marcas."

A adolescência de Camille foi bastante conturbada, com direito a estupro coletivo e humilhações em público. Assim que teve idade, foi embora, e agora que precisou voltar terá que encarar seus fantasmas do passado e, ainda, investigar quase que por conta própria os assassinatos, já que sua presença não é bem vinda, nem pela polícia local e menos ainda por sua mãe, que parece incomodada com a presença da filha, já que agora ela tem outra filha, Amma, com treze anos, que tem toda a atenção da mãe, mas que tem atitudes que parecem estar "gritando por socorro".

Há muito tempo que eu queria ler algo da autora, e optei por "Objetos cortantes" por ser seu livro de estreia. Achei a narrativa um pouco pesada pelos detalhes dos acontecimentos, mas entendo ser necessária para a construção da personagem que tinha tendências a álcool, drogas e automutilação. O mistério dos assassinatos foi o ponto alto da leitura, e o final foi uma grande surpresa.

16/09/2020

[Tag] Gaúcha

Olá, livreiras e livreiros! Em homenagem ao mês dos gaúchos, hoje viemos responder uma tag bem bagual, que vimos no ig @aninheoslivros. Vamos conferir?

1. Bah! - um livro que te deixou sem palavras:
Larissa: "De volta no tempo" (Caty Coelho) - Esse foi um livro que, de tão amorzinho e emocionante, me deixou sem palavras, com certeza - principalmente no final.
Viviane: "Árvore dos desejos" (Katherine Applegate) - Este é o livro mais fofo que li nos últimos tempos; não tenho nem palavras para descrever o quanto gostei.

2. Me caiu os butiá dos bolso! - um livro que te surpreendeu:
Larissa: "O vilarejo" (Raphael Montes) - Esse foi um livro que já fui com altas expectativas, de tanto que minha mãe me indicou, e mesmo assim fui surpreendida.
Viviane: "A paciente silenciosa" (Alex Michaelides) - Foi uma leitura bem intensa, e o nó na cabeça do leitor fica por conta da ordem cronológica da estória. O final me surpreendeu bastante.

3. Capaz?!?! - um livro/autor que te fez de trouxa:
Larissa: "O misterioso caso de Styles" (Agatha Christie) - Foi o primeiro livro da autora que li, e fui feita de trouxa a cada página, pois quando Poirot pensava em algo, eu já pensava "é isso!", mas no final, claro, não era.
Viviane: "O pântano das borboletas" (Federico Axat) - Torno-me repetitiva com esta indicação, mas se tem um livro que me fez de trouxa - coisa que eu adoro -, foi este. Que final!

4. Te larguei pras cobra! - um livro que você abandonou:
Larissa: "O rosto que precede o sonho" (Maurício Gomyde) - Não considero exatamente um abandono, pois li umas dez páginas e não consegui mais; acho que só não estava no clima.
Viviane: "Cinquenta tons de cinza" (E. L. James) - Eu não sou de abandonar livros, mas este realmente não é para mim; mal consegui chegar na metade.

5. Mais perdido que cusco em procissão! - um livro que você não entendeu o desenvolvimento ou o final: 
Larissa: "O enigma" (Darlon Carlos) - Foi uma leitura que me tirou totalmente da minha zona de conforto, e o final me deixou com aquela pulga atrás da orelha, pois fiquei na dúvida se entendi ou não.
Viviane: "S" (autor) - Que leitura complexa... o que tem de linda a edição, tem de confusa a leitura. Tem todo um esquema para ler, por partes, e quando a gente chega no final já esqueceu do início. 

6. Preteou o olho da gateada! - um livro que te deixou muito tenso: 
Larissa: "A garota no trem" (Paula Hawkins) - Livros que envolvem crimes por si só já deixam o leitor tenso, então imaginem um livro no qual não se pode confiar nem no que a narradora diz ou conta.
Viviane: "Cujo" (Stephen King) - Gente, que livro tenso! Eu adoro leituras assim, mas este me fazia esquecer de respirar.

7. Te aprochega pro mate! - agora indica para os teus seguidores e amigos um livro que tu ama:
Larissa: "Escola dos mortos" (Karine Vidal) - Não poderia ser diferente esta indicação. Eu amo esse livro com todo o meu coração, e indico para todo mundo, pois ele tem um pouco de tudo (romance, ação, suspense etc).
Viviane: "Quatro vidas de um cachorro" (W. Bruce Cameron) - Eu amo muitos livros, mas este é bastante especial, porque o protagonista é um cachorro. Quero muito reler assim que possível.

POSTAGEM POR: LARISSA E VIVIANE

14/09/2020

[Resenha] O verão em que tudo mudou | Vários autores

O verão em que tudo mudou

Autor(a): Vários autores
Editora: Faro Editorial
Páginas: 304
Resenha por: Larissa
Avaliação: 5/5
Compre: Amazon / Submarino




Sinopse: A vida sempre guarda inúmeras surpresas. E, sem avisar, ela muda de direção. Três jovens, de cidades distantes, com diferentes realidades, descobrindo o mundo a partir de suas próprias escolhas: complexo, difícil, libertador. Três histórias que se cruzam, no exato momento em que se coloca, diante de cada uma delas, uma exigência capaz de definir algo para o resto de suas vidas. Com os autores Gabriela Freitas, Thais Wandrofski e Vinicius Grossos.

Resenha: "O verão em que tudo mudou" nos traz três contos, que se ligam, de três autores diferentes. Cada conto passa-se em um mês do verão.

O primeiro conto, "Quando os infinitos se encontram", de Vinícius Grossos, conta a estória de Frederico. O rapaz tem dezoito anos e, ao chegar no famoso dilema do terceiro ano do ensino médio sobre qual caminho seguir, enquanto estava na dúvida sobre qual faculdade cursar, ao mesmo tempo em que era pressionado pelos pais, ele acabou indo fazer uma entrevista para vendedor em uma livraria - e conseguiu a vaga.

Nosso protagonista vive uma vida simples e pacata; é véspera de Natal, mas, desde que seus avós morreram, seus pais não comemoram mais essa data, então para ele seria apenas mais um dia comum... se ele não conhecesse Valentina. Quando está fechando a livraria para ir embora, aparece uma garota implorando para que ele pegue de volta um exemplar que ela ganhou - e ele vendeu naquele mesmo dia. Mais tarde, quando já está indo para casa, os dois se encontram novamente, e Frederico acaba decidindo ajudar a menina, que está desesperada, pois quer voltar para sua cidade.

"Minha cabeça não para de girar com a complexidade desse momento, de um modo geral. Uma menina que nunca vi na vida está na minha cama, esperando que eu prepare um sanduíche e, basicamente, tudo o que sei sobre ela é seu nome, signo e o quanto ela é bonita."

Valentina e Frederico passam por diversas aventuras juntos, e acaba que um transforma o Natal do outro melhor.

O próximo conto é da Gabriela Freitas e chama-se "Mantenha-se viva!". Lavínia, após passar para a tão sonhada faculdade de arquitetura e urbanismo, já não tem mais certeza se é isso mesmo o que quer da vida, e decide viajar para Búzios, no Rio de Janeiro, para se conhecer melhor e descobrir o que ela quer da vida.

"Fazer arquitetura e urbanismo em uma das mais concorridas faculdades do país foi, por anos, o grande sonho da minha vida. Quer dizer, eu achei que fosse. Como se aos dezoito anos alguém pudesse ter certeza de qual é o seu grande sonho."

Acontece que Lavínia guarda um grande trauma de algo que aconteceu e abalou as estruturas da sua família, principalmente a dela, pois ela se sente a responsável pelo o ocorrido.

Logo no começo da sua viagem - antes mesmo de chegar na pousada na qual irá ficar hospedada nos seus dias em Búzios, Lavínia conhece Cauê, que coincidentemente é filho da dona da pousada, e vocês já devem imaginar que os dois pombinhos irão se aproximar e se apaixonar.

O último conto é "Pôr do sol", da Thaís Wandrofski, e nos conta a estória de Sol, uma garota super organizada - do tipo que planeja tudo nos mínimos detalhes mesmo -, controladora e egocêntrica. Suas férias estão acabando e, ao perceber que não aproveitou seus dias de folga até o momento, decide fazer uma lista, planejando como serão seus próximos - e últimos - dias de férias antes de começar a faculdade. Ela chama sua irmã gêmea, Stela, e sua melhor amiga, Bia, para essa aventura.

No segundo dia, porém, seus planos já vão por água abaixo. Ela recebe uma mensagem de um estranho, que errou o número, e os dois começam a conversar. Isso faz com que ela perca a hora, pegue no sono no momento errado, e assim seu planejamento para o dia seguinte acaba não dando certo.

Por causa desse erro, e também por outras questões, Bia revolta-se com Sol pela primeira vez e expõe algumas verdades para ela. Sol vivia sempre no seu mundinho particular, controlando todos a sua volta, e não percebia o quanto estava sendo controladora.

"Não quero ser mais esse tipo de pessoa. Quero ser alguém com quem os outros estejam por vontade própria, não porque se sentem comandados. Realmente preciso mudar. E é isso o que vou fazer!"

Os três contos foram muito especiais para mim: o do Vini deixou-me com um sentimento de aconchego e inspirou-me bastante; o da Gabi mostrou-me que muitas vezes precisamos dar um tempo de tudo para descobrirmos quem realmente somos e superar nossos traumas; e o da Thaís me ensinou que não podemos viver no nosso próprio mundinho, controlando a tudo e a todos, pois nossos problemas não são os únicos nem os maiores.

11/09/2020

[Resenha] Viagem ao centro da Terra | Júlio Verne

Viagem ao centro da Terra

Autor(a): Júlio Verne
Editora: Martin Claret
Páginas: 220
Resenha por: Viviane
Avaliação: 4/5
Compre: Amazon / Submarino




Sinopse: Após decifrarem um código oculto em misteriosas inscrições rúnicas, o professor Lidenbrock e seu sobrinho Axel embarcam numa jornada que homem algum ousaria trilhar. Em meio a sua descida rumo ao centro da Terra, os dois aventureiros enfrentam a fúria de rios subterrâneos, deparam-se com insetos e cogumelos gigantes e com estranhos fenômenos físicos, além de encontrarem resquícios de um mundo pré-histórico e desconhecido que sobreviveu ao tempo. Viagem ao centro da Terra, publicada originalmente em 1864, é uma das principais obras de Júlio Verne, precursor da ficção científica. Ao longo da narrativa, fantasia e ciência coexistem e confundem-se, conforme o autor transita livremente entre elas. Mais do que uma história de aventura, Viagem ao centro da Terra é o registro de uma postura própria de Verne em relação à ficção, em que o exercício da imaginação e do fazer artístico não é avesso à curiosidade científica.

Resenha: Em 2018 decidi incluir entre as leituras de parcerias alguns livros de autores ou editoras que ainda não tive a oportunidade de conhecer, e o Júlio Verne foi um deles, o qual escolhi "Viagem ao centro da terra" para ler.

O livro é narrado por Axel, sobrinho do nosso protagonista, o professor Lidenbrock, famoso cientista, pesquisador, geólogo e mineralogista de Hamburgo dos anos 1800.

Certo dia, o professor chega em casa, radiante por ter encontrado um manuscrito de um famoso cientista e pesquisador que viveu 300 anos antes; o livro continha escritos em runa e de dentro dele cai um pergaminho, que aguça a curiosidade do professor e de seu sobrinho. Após horas tentando decifrar, Axel desvenda a frase que faz referência a uma suposta entrada que daria direto ao centro da Terra.

Imediatamente o professor prepara tudo e parte com o sobrinho para o monte Sneffeles, na Islândia, pois o dia no qual o sol indicaria a direção a seguir se aproximava. Axel não teve nem tempo de se preparar e se despedir direito de sua noiva, Grauben, que vivia sob a tutela do professor Lidenbrock.

Ao chegar na Islandia, contrataram Hans, um caçador local, como guia e partiram. Axel considerava uma loucura, pois julgava impossível chegar ao centro da Terra, pois, pelo o que se sabia, a temperatura era muito alta, impossível para qualquer um descer mais do que algumas léguas, (as referências de medidas do livro são em léguas, pés, milhas, frações etc).

Após chegarem ao  Sneffeles, um vulcão adormecido, eles levam alguns dias para subir ao topo e mais outros tantos para descer até a base dele e aguardar o sol indicar qual direção devem tomar.

"No momento de entrar naquele corredor escuro, ergui a cabeça e vi uma última vez, pelo imenso tubo, aquele céu da Islândia 'que não devia voltar a ver'."

Eles tinham água para uns oito dias e, após entrarem na caverna que julgavam a certa, levaram cinco dias até perceber que tinham pego uma bifurcação errada pelo caminho; na volta, para pegar outro caminho, ficaram sem água. Quando retornaram à base do vulcão, estavam quase desidratados, mas o tio insistiu que pegassem outra direção por um dia, e se não desse certo voltariam e iriam embora.

Mas graças à teimosia do tio, eles encontraram água, quando já estavam no limite de suas forças, mas não foi só isso, eles encontraram mar, e uma atmosfera em uma espécie de caverna gigante, tão grande que era impossível ver o seu final. Ali eles encontraram espécies de plantas pré-históricas e gigantescas, assim como fósseis jamais conhecidos pela ciência.

"Sentia-me revigorado e decidido a ir longe. Por que razão um homem convencido como o meu tio, um guia industrioso como Hans e um sobrinho 'decidido' como eu não teriam êxito?"

Mas ali ainda não era o centro da Terra; eles construíram uma jangada e navegaram por dias, enfrentando tempestades e animais marinhos jamais vistos por olhos humanos.

"Viagem ao centro da Terra" foi escrito em 1864 e traduzido para diversas línguas, tendo aqui no Brasil dezenas de publicações - pude observar duas delas: esta, lançada pela Martin Claret, e outra, lançada pela Larousse, e elas têm traduções bem distintas, inclusive quanto aos nomes dos personagens.

O livro é bem pequeno e a leitura tão envolvente que é possível ler bem rapidinho. Não deixem de conhecer as aventuras do professor Otto Lidenbrock e seu sobrinho Axel, sem esquecer do corajoso Hans, pois, sem ele, acho que nossos protagonistas não chegariam vivos ao final do livro.

09/09/2020

[Lançamentos] Editora Astral Cultural | Setembro - 2020

Olá, livreiras e livreiros! Como vocês estão? Hoje viemos trazer para vocês os lançamentos de setembro da Editora Astral Cultural - e já adianto que tem coisa boa para os fãs de "A barraca do beijo", viu? -, e esperamos que gostem. Vamos conferir?


Pé na estrada: Aproveitar as férias de primavera ao lado de LEE FLYNN era tudo o que ELLE EVANS queria. Depois de alguns desentendimentos entre os dois e até mesmo um rompimento quase definitivo entre Elle e o irmão de Lee, NOAH FLYNN, uma viagem cruzando o país era tudo aquilo que os melhores amigos precisavam para ter algum tempo para conversar - mas não falar sobre a faculdade - e, é claro, fazer dessas as melhores férias de todos os tempos, digna de muitos likes nas redes sociais. O destino final? Encontrar NOAH FLYNN, que está em Harvard. Mas as paradas da viagem mais divertida do ano reservam muito mais que um final feliz para Elle e Noah.

Um dia de magia: Mileninha acaba de ganhar novas vizinhas e está curiosa para conhecê-las, então, por que não fazer um bolo e ir até lá dar boas vindas? Quando finalmente conhece Agnes, uma de suas novas vizinhas, e brincar muito de karaokê, ela descobre que a garota é sobrinha dela. Da dona bruxa, que não é muito fã de música resolve aprontar mais uma: tirar a melodia de Mileninha. Dessa vez, a dona bruxa foi longe demais. para recuperar sua melodia e poder cantar novamente, Mileninha vai precisar da ajuda de agnes e da sua, é claro. Aqui, vocês enfrentarão desafios e confusões na casa da dona bruxa em busca da poção que será capaz de ajudar Mileninha. Prepare-se para um dia animado e cheio de aventuras.

POSTAGEM POR: LARISSA E VIVIANE