09/04/2018

[Resenha] A menina submersa | Caitlín R. Kiernan

A menina submersa

Autor(a): Caitlín R. Kiernan
Editora: Darkside
Páginas: 320
Resenha por: Viviane
Avaliação: 5/5
Compre: Americanas




Sinopse: Com uma narração intrigante, não linear e uma prosa magnífica, Caitlín vai moldando a sua obsessiva personagem. Imp é uma narradora não confiável e que testa o leitor durante toda a viagem, interrompe a si mesma, insere contos que escreveu, pedaços de poesia, descrições de quadros e referências a artistas reais e imaginários durante a narrativa. Ao fazer isso, a autora consegue criar algo inteiramente novo dentro do mundo do horror, da fantasia e do thriller psicológico.

Resenha: "A menina submersa" foi o primeiro livro da editora Darkside que chegou em nossa estante e confesso que comprei pela capa e o detalhe rosa no corte das páginas. Com tudo o que li a respeito da estória, já sabia que seria uma leitura um pouco diferente do que estou acostumada, mas em geral gosto de desafios.

O livro conta a estória de India, ou simplesmente Imp, uma jovem que tem um histórico familiar de esquizofrenia; sua avó e sua mãe cometeram suicídio, e Imp herdou a doença delas. No estágio da doença em que Imp encontra-se, ela começa a datilografar um livro com suas histórias, suas memórias; em momentos é em primeira pessoa em outros, em terceira, como se ela falasse de outra pessoa.

"Imp datilografou: 'Você é uma mentirosa. Você é mentirosa, malvada e suja, e você sabe disso, não sabe?'"

No começo conhecemos um pouco da vida da mãe e avó da protagonista e de coisas que ela fazia com a mãe, como ir a exposições e o conselho da mãe de anotar tudo. Foi em uma exposição que Imp viu pela primeira vez "A Menina Submersa", um quadro de um artista que morreu após cair do cavalo.

Em seguida, nossa protagonista fala do dia em que conheceu Abalyn, sua companheira por alguns anos.

Imp gostava de contos de fadas, "A pequena sereia" era seu favorito, mas "Chapeuzinho vermelho" lhe dava calafrios, pois a imagem do lobo a fazia lembrar da maldade dos homens.

Conforme Imp vai narrando suas vivências, ficamos na dúvida do que foi real e do que aconteceu só no imaginário da garota. O tempo também é outro ponto que deixa dúvidas, pois nem a própria narradora consegue manter uma linha temporal ou ter certeza da realidade dos fatos narrados.

"Quer dizer, se é que essa conversa realmente aconteceu. Quase parece que sim, quase, mas um monte de lembranças minhas são falsas, por isso nunca posso ter certeza, de um jeito ou de outro. Muitas das minhas lembranças mais interessantes parecem nunca ter acontecido."

Imp leva uma vida muito humilde, mas mesmo assim acolhe Abalyn em seu lar. Abalyn é uma resenhista de jogos de vídeo game e transsexual; Imp já deixa claro no início que é homossexual, mas isso tudo é descrito de forma muito natural e sem pudores.

Quando Imp começa a contar suas histórias de fantasmas, confesso que comecei a sentir um pouco de medo, como na ocasião em que ela saiu de carro e encontrou uma mulher nua, parada na beira da rodovia. A mulher era Eva Canning, e esta não seria a única vez que a mulher misteriosa cruzaria o seu caminho. E foi após o primeiro encontro que os sonhos, ou pesadelos, começaram.

Nos sonhos Imp descreve seus fantasmas, coisas que a assustam na vida real, mas que nos sonhos ganham outras proporções.

"Algumas vezes, pessoas assombradas chegam a um ponto no qual conseguem afastar os fantasmas ou os fantasmas as destroem."

Como mencionei antes, Imp ainda encontraria Eva várias vezes; parece que a mulher passou a "perseguir" Imp. Primeiro a moça vê Eva parada no meio da calçada, a encarando, depois, devido a fixação que ela tem pelo quadro da Menina Submersa, ela foge de Abalyn e vai até o museu, lá ela ouve a voz de Eva em sua cabeça e, logo após, dá de cara com a mulher. Elas têm uma conversa bem estranha, inclusive sobre o artista que pintou o quadro, o que traz ainda mais mistério ao livro.

A partir daí, Imp escreve várias teorias sobre quem seria Eva: um monstro, um lobisomem, uma sereia... Enfim, a mulher torna-se cada vez mais presente na vida da jovem. Pareceu-me que cada vez que Imp escrevia sobre um fantasma, era sua forma de livrar-se dele.

"Eu os tranquei dentro de uma história da qual eles não podem sair para me prejudicar. Eu os exorcizei."

Foi uma leitura lenta, difícil, mas muito enriquecedora. Em alguns momentos fluía bem, em outros eu precisava voltar e reler algumas vezes a mesma frase. Foi uma experiência fascinante estar na cabeça da Imp e de seus fantasmas particulares. No decorrer do livro tem diversas citações de nomes de pessoas e artistas, que precisei pesquisar, pois não conhecia; alguns reais, outros criados pela escritora.

11 comentários:

  1. Então.. Sou a louca da Darkside, tenho todas ou quase todas as edições publicadas por eles.. Muitas lidas e outras ainda por ler.. Porém apesar de essa capa maravilhosa e edição incrível, esse eu comecei e parei. Travei mesmo.. Pois estava achando meio arrastada a leitura.. Mas como eu andei, na época, em uma ressaca literária.. vou tentar novamente.

    Beijos.

    www.alempaginas.com

    ResponderExcluir
  2. A Darkside arrasa demais nas capas, né? sempre fico babando no catálogo deles, são capas lindíssimas. Eu ainda não li esse livro e até tenho curiosidade com ele, mas não o leira por agora. Gostei bastante de poder ver a resenha dele por aqui e poer conhecer um pouco mais sobre a obra.

    ResponderExcluir
  3. A Menina Submersa também foi a minha primeira aquisição da Darkside, mas na época o lançamento ainda era a versão antiga de capa mole e com uma moça na capa. Eu até que gosto dessa edição também.
    Eu cheguei a ler esse livro no ano passado e fiquei bastante dividida. Ao final não sabia se tinha adorado ou odiado o livro. O ponto de ser confuso não foi o que me deixou nessa indecisão, pois esse foi um requisito que gostei, mas a história em si não chegou a me chamar tanta a atenção enquanto lia. Entretanto não consigo me desfazer do livro, tenho esperanças de reler futuramente e, quem sabe, amar.

    www.sonhandoatravesdepalavras.com.br

    ResponderExcluir
  4. Gostei de saber que a leitura foi enriquecedora, apesar de lenta, mas não tenho a mínima vontade de ler esse livro. Eu acho ele, sei lá, cansativo pra mim. Além disso, não gosto dessa coisa de esquizofrenia, por medo, sabe?
    Gostei da sua resenha e sinceridade, mas vou passar a dica.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Adoro as edições da Darkside.
    Mas não sei se leria essa história, acho que o enredo parece ser muito cansativo e a leitura parece ser bem arrastada. Apesar de gostar do tema, tenho a sensação que a história não iria conseguir finalizar.
    Gostei de conhecer suas impressões sobre a trama.
    Beijos!

    Camila de Moraes.

    ResponderExcluir
  6. Oi, tudo bem?
    Ainda não li nada da Darkside, mas não foi por falta de interesse, mais falta de tempo mesmo. Este livro da resenha, A menina submersa, não conhecia e fiquei bem curiosa depois de ler sua resenha. A capa é maravilhosa também e adicionei a minha lista! Parabéns pela resenha e pela dica!
    http://colecionandoromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. fiquei curiosa em saber que personagens reais são mencionados na narrativa... de qualquer forma, apesar da esquizofrenia ser abordada na trama,não me empolguei com esse titulo da editora...
    bjs...

    ResponderExcluir
  8. olá, tudo bem? Apesar da fama do livro, da edição que é belíssima, e sua resenha que está maravilhosa, não é um livro que me chame muita atenção. O assunto não é algo que curta muito (nem o gênero) por isso fica para a próxima :)

    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Esse seria meu livro de corpus no meu projeto de pesquisa na faculdade, justamente pela riqueza e singularidade na escrita da autora. É o tipo de obra que precisamos ler com calma mas ainda assim é sensacional.

    ResponderExcluir
  10. Oi Vivi!

    Tenho esse livro na estante mas a versão brochura, a primeira que a Dark lançou, mas sou louca por essa com as folhas rosa e essa capa sensacional! Bem, ainda não li o livro, mas uau fiquei super curiosa depois da sua resenha, Imp parece ser uma personagem intrigante e mesmo com a lentidão da narrativa confesso que ainda estou curiosa, principalmente por conta de Eva!

    Adorei sua resenha!

    Beijos,

    Sammy.
    http://www.daimaginacaoaescrita.com

    ResponderExcluir
  11. Dos livros da DarkSide, esse é o que eu mais tenho curiosidade de ler, principalmente por causa da capa haha. A sua resenha está incríveel! Eu já tinha uma noção de como seria a história da Imp e achei bem interessante o fato da autora fazer com que os leitores fiquem na dúvida se o que está acontecendo com a personagem seja real. Espero ler essa história um dia, bjss!

    ResponderExcluir